sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Atividades

Atividade 1.

Tema: Fazendo as camisetas da formatura

Turmas envolvidas:
9º anos

Nº de aulas: 4

Objetivo: fazer as camisetas da formatura

Avaliação: participação e uso das ferramentas

Socialização:
penso em faze-la por meio do blog


Resultados esperados: que façam as camisetas


Recursos utilizados: internet, photoshop, data show, notebbok - Sala dse Informática Pedagógica

Veja momentos abaixo:




Atividade 2

Tema: edição e manipulação de imagens

Turmas envolvidas: 8º anos

Nº de aulas: 4


Objetivo: Fazer com que os alunos experimentem algumas tendencias produzidas pelo expressionismo por meio da manipulação digital de imagens

Avaliação: Participação e produções prontas

Recursos utilizados: internet, photoshop, data show, notebbok - Sala dse Informática Pedagógica.

Socialização: blog de Artes -

Resultados esperados: Que eles tenham a apreciação estética da deformação e que aprendam tecnicas básicas de edição de imagens.
Veja momentos abaixo:

Atividades elaboradas no Editor de Imagens Vetorias



Atividade - Luz e Sombra


quinta-feira, 7 de julho de 2011

quinta-feira, 30 de junho de 2011

 Artigo: Inspiração e tinta nos muros da escola
 Profº Fabio Salun

A arte moderna tem inicio no final do século XIX e se caracteriza pela deformação e pela estilização dos objetos em prol de um caráter expressivo, esse tratamento é nítido sobretudo nas obras pós-impressionistas que tem como maiores expoentes artistas como Van Gogh, Cezanne e Gauguin. Essa visão chega ao Brasil com a semana de arte moderna em 1922 nas mãos de arftistas como Di Cavalcanti, Anita Malfati entre outros.
Em um outro extremo, já na produção contemporânea encontramos o Grafite, uma linguagem até pouco tempo marginalizada e fadada ao ostracismo mas que a partir dos anos 90 começa a aparecer nos grandes centros de legitimação da arte. Com influência dos muralistas mexicanos e trazendo a tona discussões sobre a desigualdade social e política, o grafite foi normalmente explorado pelos imigrantes mexicanos nos Estados Unidos e pela população negra.
Partindo desses dois campos distintos o projeto “O modernismo brasileiro na parede da escola” buscou proporcionar aos alunos dos nonos anos da E.M. Profª Rosa Maria Berezoski Demarch o dialogo entre as idéias e conceitos explorados pelo modernismo e a linguagem da pintura em parede, ou grafite.
A garra e a força do povo brasileiro foram exploradas pelos alunos do 9º ano A, um enorme coração, vívido e pulsante que ressalta aos olhos do observador em bruto contraste com o fundo negro que registra seus batimentos caracteriza a força e a vontade de um povo que muitas vezes sobrevive diante de desigualdades e injustiças. .
O 9º ano B e D exploram o grafite em sua mais pura manifestação, formas estilizadas e caricatas, cores quentes e frias dialogam entre si trazendo a tona as preocupações urbanas e cosmopolita do mundo atual.
A mais pura abstração foi proposta pelo 9º ano C, curvas e contra curvas se entrelaçam nas cores azul e amarela da bandeira brasileira, o resultado é um trabalho por completo abstrato que instiga a imaginação de quem o observa.
A alegria e a festa brasileira estão demarcadas na parede destinada ao 9º ano E, duas baratas dançando em pleno ritmo brasileiro, declaram que, mesmo diante de tanta pobreza e desigualdade, o brasileiro ainda tem forças para levantar, ser feliz e comemorar.
A natureza foi o tema do 9º ano F que em uma típica paisagem praiana ressalta a beleza e os mistérios da rica flora brasileira. Flores e folhagens envolvem os olhos do observador levando-o a relembrar a grandiosidade do nosso litoral.
Independente do motivo ou tema explorado, penso que o mais importante é proporcionar aos alunos atividades diferentes que dialoguem com seu cotidiano e que os motivem por meio de outros meios o aprendizado, a socialização e a alegria de se manterem sempre em eterna construção.

Jornal do Paraíso/Junho 2011




 Atividade - Artes


Sala Informatizada


Programa: Editor de imagens Vetorias



quarta-feira, 29 de junho de 2011

Historia das Coisas



Vídeo trabalhado pelo Profº Fabio - Artes


Este vídeo dublado em português, mostra a história dos objetos de consumo, da sua produção ao descarte e revela quem são as verdadeiras vítimas do sistema de produção linear oferecendo alternatívas para mudar o paradígma consumista atual.

A História das Coisas - Dublado Parte 1
  



A História das Coisas - Dublado Parte 2 

Este vídeo dublado em português, mostra a história dos objetos de consumo, da sua produção ao descarte e revela quem são as verdadeiras vítimas do sistema de produção linear oferecendo alternatívas para muda o paradígma consumista atual.
 

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Atividades de Artes


O Modernismo Brasileiro na Parede da Escola: As tendências modernistas brasileiras a partir da linguagem do grafite.
Fábio Salun
E.M Rosa Maria Berezoski
Proposta Pedagógica para o 9ª Ano do Ensino Fundamental
Tema: O modernismo brasileiro na linguagem do grafite.
Justificativa:
A arte moderna tem como fundamento de sua produção a estilização e a deformação em prol de uma característica expressiva. No Brasil essa proposta do trabalho artístico chega na segunda década do século XX, sobretudo na obra “o Abaporu” de Tarcila do Amaral.
Encontramos no espaço escolar diversos lugares e ambiente que proporcionem a produção artística, as paredes dos muros por exemplo, são um espaço que pode ser utilizado para a prática e a produção artística, na verdade o grafite (pintura em parede) tem ganho cada vez mais espaço nos salões e lugares de legitimação da arte.
O que esse trabalho se propõe a fazer é criar um grafite nas paredes internas do muro da escola baseado nas tendências modernistas brasileiras.
Objetivo geral: Construir um painel para o muro interno da escola com referencia na arte moderna brasileira
Objetivos específicos:
- Compreender o que é a arte moderna e seu contexto social;
- Compreender a introdução de aspectos brasileiros na proposta da arte moderna por meio da obra de Tarsila do Amaral;
- Conhecer as tendências modernistas brasileiras e suas propostas de trabalho;
- Construir em conjunto um desenho com características modernas e brasileiras;
- Aprender como se faz um grafitte;
- Passar o desenho para a parede da escola;
- Fazer o grafitte na parede;
Marcos Teóricos:
Até o final do século XIX a arte tinha como fundamento principal a representação da realidade, com o começo da industrialização e a invenção da fotografia a arte amplia seus horizontes, o que antes era a tradição perde agora seu atrativo e diversas tendências começam a aparecer simultaneamente, em um movimento frenético, movimentos e contramovimentos brotavam sem parar, cada qual representando uma tendência artística.
Um fator estético de grande importância é o desaparecimento da representação em prol de uma deformação com sentido expressivo, a imagem não tinha mais a função de copiar a realidade, o quadro era agora um objeto e por isso tinha a função de agir como tal, não copiando mas demonstrando uma realidade.
No Brasil, essa tradição surge quando Tarcila do Amaral, recém chegada da Europa, pinta o quadro “o Abaporu” e incorpora características brasileiras a estilização e deformação modernista, depois disso, as diversas tendências européias encontram a porta aberta na produção brasileira.
O trabalho na parede surge com a arte primitiva e durante todo o percurso da história da arte o homem vem trabalhando com os desenhos e as pinturas em paredes. No mundo contemporâneo essa produção vem aparecendo a partir da linguagem do grafite, que se inicia como um meio de rebeldia e passa a ganhar cada vez mais espaço nos ambiente de legitimação da arte.
O objetivo do presente é criar um grafite para a parede da escola baseado nas tendências modernistas brasileiras.

Metodologia:
Primeiramente será feita uma apresentação da arte moderna. Como ela ganha características brasileiras e as tendências que aqui ocorrem, depois será pensado no grupo como podemos fazer um grafite que contenha características brasileiras e modernistas. Com o desenho estruturado passaremos as questões técnicas da pintura em parede, será demonstrada de uma maneira breve a história do grafite, o que ela é hoje, as diferenças entre o grafite e a pichação, para por ultimo, verificarmos como é feito um grafite e passar o desenho proposta para a parede.
Avaliação:
A avaliação será feita de modo processual onde cada conteúdo trabalhado será avaliado ou por meio de produções plásticas ou por meio de reflexão teórica. Ao final será feita uma avaliação do grupo e essa nota somada com as individuais e dividida por dois será a média de avaliação da proposta.
Desenvolvimento:
1º Momento – Introdução dos conceitos modernistas e a incorporação desses pela produção artística brasileira, seguido por perguntas sobre o que foi estudado na aula.
2º Momento – Construir em conjunto um desenho com características modernistas brasileiras para ser passado para a parede. A avaliação será pela participação em aula.
3º Momento – O grafite, um breve histórico e como fazer, a aula será seguida por uma avaliação teórica sobre o conteúdo aprendido em aula.
4º Momento – Passar, por meio de uma transparência o desenho para a parede.
5º Momento – Pintura e produção do grafite.
Referencias:
STRICKLAND, Carol; BOSWELL, John. Arte Comentada: da pré-história ao pós-moderno.
http://www.itaucultural.org.br/aplicexternas/enciclopedia_ic/index.cfm?fuseaction=termos_texto&cd_verbete=359&lst_palavras=&cd_idioma=28555&cd_item=8 acessado em 07/03/2011


Etapas da Atividade



As tendências modernistas brasileiras a partir da linguagem do grafite



sexta-feira, 8 de abril de 2011

Aula de Artes
Profº Fabio

Turmas:


Recursos utilizados: Notebook, Data Schow e Apresentação PowerPoint.
Espaço: Sala de Informática Pedagógica.

Material disponibilizado pelo Museu Sanbaqui.


As várias faces da pintura de natureza morta.

Fábio Salun

E.M Rosa Maria Berezoski

Proposta Pedagógica para o 7ª Ano do Ensino Fundamental

Tema: A pintura de natureza morta e os elementos visuais a partir de seu contexto histórico social.

Justificativa:

A pintura de natureza morta tem sido explorada desde a idade média. De acordo com o momento histórico e cultural em que a humanidade se encontrava esse gênero de pintura assumiu uma enorme variedade de propostas e ideais.

Além disso, a pintura de natureza morta é até hoje explorada pelas mais diferentes linguagens, como a fotografia, o desenho e mais atualmente a instalação.

O objetivo desse trabalho e mostrar aos alunos as relações estabelecidas com a natureza morta ao longo do percurso da história da arte a partir do uso de diferentes linguagens.

Objetivo geral: Compreender a partir de discussões teóricas e produções plásticas as várias características que a pintura de natureza morta e os elementos visuais assumiram em diferentes períodos da história da arte.

Objetivos específicos:

- Compreender o que é a pintura de natureza morta;

- Conhecer os elementos visuais e suas utilidades na representação;

- Compreender seu percurso durante os momentos da história da arte;

- Fazer produções plásticas baseadas nos diferentes segmentos que esse gênero de pintura assumiu;

Marcos Teóricos:


Metodologia:

Primeiramente será feita uma apresentação da pintura de natureza morta. Como ela ganha características diferentes nos diversos períodos da história da arte e de como os elementos visuais são utilizados nessas representações, essa relação será feita a partir de uma série de produções plásticas baseadas nos diferentes aspectos que a pintura de natureza morta assumiu ao longo da história da arte.

Avaliação:

A avaliação será feita de modo processual onde o conteúdo trabalhado será avaliado ou por meio de produções plásticas cada trabalho será avaliado individualmente e a nota será a média dos pontos tirados.

Desenvolvimento:

1º Momento – Introdução dos conceitos da natureza morta e seu percurso histórico-social.

2º Momento – Construção de desenhos de uma natureza morta a partir do uso das linhas.

3º Momento –Produzir uma pintura de natureza morta com materiais encontrados em sala de aula;

4º Momento – Conhecer o volume a partir da produção de um recorte e colagem inspirado nas pinturas de Archimbold;

5º Momento – Produzir uma imagem digital de natureza morta com objetos do cotidiano;

Referências:

STRICKLAND, Carol; BOSWELL, John. Arte Comentada: da pré-história ao pós-moderno.

http://www.itaucultural.org.br/aplicexternas/enciclopedia_ic/index.cfm?fuseaction=termos_texto&cd_verbete=360



Momentos da aula:






As cores a partir das produções artísticas da arte Moderna.

Fábio Salun

E.M Rosa Maria Berezoski

Proposta Pedagógica para o 8ª Ano do Ensino Fundamental

Tema: Conceitos básicos sobre as cores a partir da pintura moderna.

Justificativa:

É super importante conhecer os fundamentos básicos da composição cromática, no ambiente escolar muitos alunos se negam a pintar achando que essa pintura pode estragar um bom desenho. O uso das cores é complexo, contudo é de extrema importância conhecê-los para saber como eles podem ser utilizados.

O objetivo desse trabalho é fazer com que os alunos compreendam essas relações a partir do trabalho plástico de alguns artistas modernos.

.

Objetivo geral: Compreender a partir de produções plásticas modernas os princípios fundamentais das cores.

Objetivos específicos:

- Compreender o que é a cor;

- Verificar como ela atua em nossa percepção;

- Explorar por meio de produções plásticas diferentes técnicas e usos da cor;

Marcos Teóricos:

Discorrer sobre a importância do uso da cor é fato redundante, é so olhar para uma imagem para compreendermos a importância da construção cromática.

Contudo conhecer realmente e de maneira profunda esse processos e um trabalho árduo e complicado, as relações colorísticas são complexas e difíceis de serem explicadas para alunos do ensino fundamental que tem pouco contato com a arte.

Independente disso muitos artistas modernos tiveram suas produções baseadas e construídas a partir de estudos das situações ocasionadas pela construção cromática. O objetivo desse trabalho é fazer com que os alunos compreendam os princípios da cor a partir dessas produções.


Metodologia:

Primeiramente será feita uma apresentação do que é a cor, como ela atua em nossa percepção, e das possibilidades de combinação. Depois serão experimentadas diversas técnicas e utilizações a partir do trabalho de diferentes artistas modernos.

Avaliação:

A avaliação será feita de modo processual onde o conteúdo trabalhado será avaliado ou por meio de produções plásticas cada trabalho será avaliado individualmente e a nota será a média de todos os pontos tirados.

Desenvolvimento:

1º Momento – Introdução dos conceitos básicos da cor;

2º Momento – Produção de um círculo cromático que fica branco quando é acelerado;

3º Momento - Pintando o desenho do outro; os alunos deverão fazer um desenho e escolher as cores que serão utilizadas, porém outro aluno deverá pintar;

4º Momento – Pintura com cores que acham que não combinam;

3º Momento – Criação de uma pintura geométrica com as cores primárias;

4º Momento – Produção de um desenho de natureza morta monocrômico;

5º Momento – Produção de um desenho igual ao da aula anterior mas pintado com duas cores complementares;

8º Momento – Pintura com o uso de cores quentes;

9º Momento – Desenho com o uso de cores frias;

Referências:

A cor no processo criativo

Da cor a cor inexistente.


Momentos da Aula